CONSIDERATIONS ABOUT THE GEOMORPHOLOGICAL MACROUNITIES OF THE STATE OF MINAS GERAIS – BRAZIL/CONSIDERAÇÕES SOBRE AS MACROUNIDADES GEOMORFOLÓGICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS – BRASIL

  • LUIS RICARDO FERNANDES DA COSTA Universidade Estadual de Montes Claros
Palavras-chave: Relevo, Região Sudeste, Compartimentação

Resumo

O estado de Mina de Gerais é marcado pela diversidade de paisagens geomorfológicas, com influência de elementos de ordem geológica (estrutura e litologia), e climática (processos denudacionais). O presente trabalho apresenta as macrounidades de relevo estadual, assim como demonstra a importância dos diferentes eventos na evolução do relevo no setor norte do estado. A metodologia foi baseada na revisão bibliográfica e trabalhos de campo, com análise dos dados geológicos e processamento de imagens de radar em ambiente SIG. Como resultado, pode-se visualizar diferentes compartimentos, como serras, planaltos, chapadas e superfícies de erosão. Como destaque, no Norte de Minas Gerais, mesorregião que agrega importantes unidades de relevo, esculpidos na interface do Cráton do São Francisco com o Orógeno Araçuaí, é possível visualizar a importância dos processos que enfatizam as formas com características denudacionais e morfoestruturais.

Referências

AB’SABER, A. N. Formas de relevo: texto básico. Edart. São Paulo, 1975.
ALKMIN, F F; BRITO NEVES, B. B; ALVES, J. A. C. Arcabouço tectônico do cráton do São Francisco: uma revisão. In: Cráton do São Francisco: Trabalhos Apresentados Na Reunião Preparatória do Segundo Simpósio sobre o Cráton do São Francisco [S.l: s.n.], 1993.
ALMEIDA, F. F. M. O cráton do São Francisco. Revista Brasileira de Geociências. Volume 7, 1977.
BELÉM, R. A. Conceitos básicos da geologia e geomorfologia no contexto dos aspectos fisiográficos de Montes Claros e norte de Minas Gerais. Revista Cerrados. v.10 n.1. Montes Claros, 2012.
BRANDT, W. Aspectos geológicos de interesse para a espeleologia do norte de Minas Gerais, Brasil. Anais do 14º Congresso Nacional de Espeleologia. Belo Horizonte – MG, 1980.
CAMPOS, J. E. G; DARDENNE, M. A. Estratigrafia e sedimentação da bacia Sanfraciscana: uma revisão. Revista Brasileira de Geociências. 27(3), 1997.
CARNEIRO, M. F. B. Região Norte de Minas: caracterização geográfica e a organização espacial – breves considerações. Revista Cerrados. v.1 n.1. Montes Claros, 2003.
CETEC. Diagnóstico ambiental do Estado de Minas Gerais. Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais/CETEC. Belo Horizonte, 1983.
CHAVES, M. L. S. C; ANDRADE, K. W; BENITEZ, L. Geologia integrada das Folhas Jequitaí, Bocaiúva e Montes Claros (1:100.000), norte de Minas Gerais. Geonomos, 19(2), 1-7, 2011.
DOSSIN, I. A; DOSSIN, T. M; CHAVES, M. L. S. C. Compartimentação estratigráfica do supergrupo espinhaço em Minas Gerais – Os Grupos Diamantina e Conselheiro Mata. Revista Brasileira de Geociência. 20(1-4): 178-186, 1990.
CHAVES, M. L. S. C; ANDRADE, K. W; BENITEZ, L. Geologia integrada das Folhas Jequitaí, Bocaiúva e Montes Claros (1:100.000), norte de Minas Gerais. Geonomos, 19(2), 1-7, 2011.
CPRM. Geodiversidade do estado de Minas Gerais. Organização Marcely Ferreira Marchado [e] Sandra Fernandes da Silva. — Belo Horizonte, 2010.

CPRM. Mapa geológico do Estado de Minas Gerais. Serviço Geológico do Brasil – CPRM. Escala 1:1.000.000. Edição atualizada, 2014.
ESTADO DE MINAS GERAIS. Geomorfologia. Projeto Diagnóstico Ambiental – mapa 2. Belo Horizonte, 1982.
IGLESIAS, M; UHLEIN, A. Estratigrafia do Grupo Bambuí e coberturas fanerozóicas no vale do rio São Francisco, norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências. 39(2), 2009.
KAMINO, Luciana Hiromi Yoshino; REZENDE, Éric Andrade; SANTOS, Leonardo José Cordeiro; FELIPPE, Miguel Fernandes; ASSIS, Wellington Lopes. Atlantic Tropical Brazil In: The Physical Geography of Brazil. Org. André Augusto Rodrigues Salgado; Leonardo José Cordeiro Santos Julio César Paisani. Springer, 2019.

LEITE, M. R; BRITO, J. L. S. Mapeamento morfoestrutural e morfoescultural na região de cerrado no norte de Minas Gerais. Revista Sociedade e Natureza. Ano 24 n. 1, Uberlândia, 2012.
MARTÍNEZ, M. I. Estratigrafia e tectônica do Grupo Bambuí no norte do estado de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Geologia. Belo Horizonte, 2007.
MOREIRA, A. A. N; CAMELIER, C. Relevo. In: Geografia do Brasil: região sudeste. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Rio de Janeiro, 1977.
PEDROSA-SOARES, A.C., NOCE, C.M., ALKMIM, F.F., Silva, L.C., BABINSKI, M., CORDANI, U., CASTAÑEDA, C. Orógeno Araçuaí: síntese do conhecimento 30 anos após Almeida 1977. Geonomos, 15, 2007.
ROSS, J. L. S. O Relevo Brasileiro nas Macroestruturas Antigas. Revista Continentes (UFRRJ), v. 2, 2013.
SAADI, A. Ensaio sobre a morfotectônica de Minas Gerais (tensões intra-placa, descontinuidades crustais e morfogênese). Tese de Doutorado. Instituto de Geociências. Belo Horizonte, 1991.
SAADI, A. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, n.1, v. 3, 1995.
SALGADO, André Augusto Rodrigues; ASSIS, Wellington Lopes; JÚNIOR, Antônio Pereira Magalhães; CARMO, Flávio Fonseca do; SORDI, Michael Vinícius de; OLIVEIRA, Fábio Soares de. Semi-humid: The Landscape of Central Brazil. In: The Physical Geography
of Brazil. Org. André Augusto Rodrigues Salgado; Leonardo José Cordeiro Santos
Julio César Paisani. Springer, 2019.

SILVA, M. L. Mapeamento de superfícies aplainadas no norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geografia Física. v.9 n.2, 2016.
UHLEIN, A; TROMPETTE, R.; SILVA, M.E. Estruturação tectônica do Supergrupo Espinhaço na região de Diamantina. Revista Brasileira de Geociências., 16(2):212-216, 1986.
VALADÃO, R. C. Geodinâmica de superfícies de aplanamento, desnudação continental e tectônica ativa como condicionantes da megageomorfologia do Brasil oriental. Revista Brasileira de Geomorfologia.v.10 n2, 2009.
Publicado
2021-04-23